terça-feira, 20 de julho de 2010

Genética do Diamante Estrela

     O Diamante Estrela tem na sua cor original surge-nos de cabeça vermelha, tendo surgido a cabeça laranja , existindo ainda nas duas cores de cabeça a mutação malhado e pastel.
    Geneticamente a cabeça vermelha é dominante, bem como o malhado e a mutação cabeça laranja e pastel são dominantes ligadas ao sexo, ou seja:
  • vermelho x laranja = machos vermelhos portadores de laranja e fêmeas vermelhas
  • laranja x vermelho = machos vermelhos portadores de laranja e fêmeas laranjas
  • vermelho portador de laranja x vermelho = machos vermelhos e machos vermelhos portadores laranja e fêmeas laranja e vermelhas
  • vermelho portador de laranja x laranja =  machos laranja e machos vermelhos portadores laranja e fêmeas laranja e vermelhas
A mesma analogia tanto serve para a cabeça laranja como para o corpo pastel e para o normal cabeça vermelha e malhado.

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Viveiro exterior

        Melhorando a qualidade de vida das minhas aves, ampliei as minhas instalações, construindo um viveiro exterior, com 2 gaiolas isoladas do restante viveiro, impedindo que as aves se misturem quando vem para o exterior vindo das voadeiras do interior.

    As aves só tem acesso a agua, tendo que regressar as voadeiras interiores para se alimentarem.

    Outra secção é onde tenho um casal de Bengalins da India, Mandarins de Timor, Bicos de chumbo e de Dominós.
    Plantei diversas plantas, fiz uma pequena fonte com agua corrente, gota a gota em que o excesso rega as plantas que necessitam de mais agua, coloquei ramos de arvores, e um sistema de agua pulvorizada para as aves tomarem banho e tambem regar as plantas

terça-feira, 13 de julho de 2010

Dominó

      Ave de origem da Índia e Tailândia com cerca de 12cm, o Dominó é uma ave que não é visível a distinção dos sexos, sendo que o macho canta uma música quase inaudível, verificando-se apenas o esticar do pescoço e o mexer das penas debaixo do bico. È uma ave que gosta de andar em bandos mesmo com aves de outras espécies e que se alimenta de mistura normal para exóticos, apreciando também sementes maiores, tipo as existentes na mistura de periquitos.

      Considerada uma espécie de fácil criação, uma pequena caixa para o ninho basta, utilizando os mais diversos materiais ao seu dispor para fazer o ninho. Ambos os sexos chocam os ovos, consistindo a postura, entre 5-6 ovos demora 14 dias a incubar e as crias saem do ninho com aproximadamente 22 dias, tornando-se independentes ao fim de 3 semanas. Atingem a sua maturidade e muda completa com cerca de 7 meses. È uma ave que cruza facilmente com bengalim e que fica com melhor marcação do peito, sendo que pelo menos os machos serão férteis.

Fotos 2010

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Plantas para aviarios exteriores

Estas são algumas das plantas que podem ser plantadas em aviários exteriores sem causar problemas as nossas aves. os nomes estão em latim para assim ser mais fácil a sua identificação.
  • Humulus japonicus
  • Sinarudinaria
  • Rubus fruticosus
  • Tropaeolum multiflorus
  • Clematis
  • Rosa canina
  • Crataegus monogyna
  • Lonicera
  • Philadelphus coronarius
  • Ipomaea
  • Lathyrus latifolius
  • Abies alba
  • Viburnum opulus
  • Vitis quinquefolia
Coníferas e diversos tipos de relva também são apreciados.

quinta-feira, 1 de julho de 2010

CITES ,procedimentos

       Informação para saber o que devem fazer os criadores que pretendem obter o registo e os documentos CITES para continuar a criar e vender as suas aves.


Registo de aves:
1 - Identificação do criador (nome completo, morada onde são detidas as aves, contacto telefónico, BI e NIF)
2 – Documentação das aves a legalizar ou Declaração de duas testemunhas, que atestem ser criador e/ou dono das aves a registar (só quando as aves não têm documentação de origem e tem de ser acompanhado com cópias dos BI´s das testemunhas).
3 - Relação de todas as aves obrigatoriamente anilhadas ou microchipadas:
  • espécie - nome científico,
  • anilha alfanumérica ou microchip,
  • se é criado em cativeiro ou de origem selvagem,
  • país de origem ou onde foi criado em cativeiro,
  • declaração de cedência, ou factura, com indicação do número do certificado comunitário CITES ou dos CITES dos progenitores.
4 – Para espécimes de espécies dos anexos B ou C, do Reg.(CE). Nº 709/2010, de 22 de Julho da Comissão, cada Certificado pode conter um mínimo de 1 ave e um máximo 6 aves (dependendo da informação disponível sobre o espécime, número da anilha ou do microchip, sexo e idade), da mesma espécie, sendo o custo de 25 euros cada certificado.
5 – Para espécimes de espécies do anexo A, do Reg.(CE). Nº 709/2010, cada Certificado apenas pode conter 1 ave (sempre com as referências indicadas em 3), sendo o custo igualmente de 25 euros cada certificado.

Nota 1: a taxa aplicável aos pedidos efectuados para emissão de certificados até 72 horas, considerados urgentes, é acrescida de uma taxa de 20 € (de acordo com a Portaria nº 1178/2009, de 7 de Outubro).

6 – Estes Certificados são pedidos em formulário próprio disponível no site do ICNB (www.icnb.pt) – Certificados Comunitários

Para tal:
a). entrar em: www.icnb.pt , Serviços online;
b). proceder ao seu registo;
c). Seleccionar Formulários
d). Seleccionar Certificados Comunitários;
e). Preencher o formulário de pedido;
f). submeter
g). anexar os documentos pertinentes, isto é factura de aquisição ou documento de cedência. Na ausência destes documentos poderá enviar duas declarações de duas testemunhas, que não podem ser seus parentes directos, a atestar, sob compromisso de honra, em como os espécimes foram adquiridos legalmente. A estas declarações deverá juntar cópia dos BI/CC das testemunhas.

7 -- enviar.

Registo dos criadores:

1 - Os criadores devem fazer o registo de criador no ICNB, ao abrigo da Portaria n.º 07/2010, de 5 de Janeiro, válido para os criadores de aves exóticas CITES e todas as aves autóctones (Europeias).
2 - Este registo é efectuado em formulário próprio disponível no site do ICNB (www.icnb.pt) – Registo de Criador ao abrigo da Portaria n.º 07/2010, de 5 de Janeiro:

a). entrar em www.icnb.pt;
b). Seleccionar Cidadãos e Entidades;
c). Seleccionar Formulários;
d). Seleccionar registo ao abrigo da Portaria nº 7/2010.
e). Preencher o documento e enviar para: cites@icnb.pt

Nota 2: Atenção, as aves que são adquiridas devem ser acompanhadas de:
  • Declaração de cedência do criador, com CITES ou CITES dos progenitores
  • Factura do criador ou loja, com cites ou cites dos progenitores,
3 – A cada registo de criador devem ser anexados os pedidos de Certificados Comunitários, caso se estejam a efectuar os pedidos de licenciamento dos espécimes e de registo ao mesmo tempo, ou indicados os números dos certificados comunitários de espécimes já legalizados.
4 – Ao registo de criador é aplicável uma taxa de 125€ no acto de inscrição e de 50€ anuais para os averbamentos a enviar até final do mês de Fevereiro de cada ano.

Nota 3: NÃO EFECTUAR QUALQUER PAGAMENTO NA ALTURA DOS PEDIDOS

Nota 4: GUARDAR CÓPIA DE TODOS OS DOCUMENTOS ENVIADOS AO ICNB

DECLARAÇÕES TIPO

1 – Criador:
Eu, _____ (nome completo), portador do bilhete de identidade Nº ________, declaro sobre compromisso de honra que sou criador nacional e proprietário das seguintes espécies: (listas das aves - só nomes científicos)

2 - Testemunhas:

2a -Eu, ____ (nome completo), portador do bilhete de identidade Nº ________, declaro sobre compromisso de honra que ______________ (nome completo), portador do bilhete de identidade Nº ________, é criador das seguintes aves: (listas das aves - só nomes científicos) é proprietário das mesmas, desde ______ (ano) ou que as adquiriu legalmente num estabelecimento comercial ou num criador devidamente registado.

2b -Eu, _____ nome.... etc.

Todas as declarações têm de ser acompanhadas com cópia dos bilhetes de identidade (frente e verso).

Mais informação em:
in : http://bloggerbirds.blogspot.com/