quarta-feira, 28 de Maio de 2008

Diamante Sparrow

Ave originária da Austrália. Em cativeiro não deve estar unicamente em gaiolas por torna-se tímida e agressiva, engordando facilmente, portanto fora da criação as aves devem ser alojadas em voadoras, permitindo a ave fazer exercício. Gostam de construir ninhos mesmo fora da época de criação pelo que devem ter sempre materiais à disposição. Dão-se bem com outras aves excepto durante a época de criação onde são muito territoriais. Tanto o macho como a fêmea tem a mesma coloração e são iguais ao primeiro olhar, apenas criadores experiente e uma observação da ave, pelo canto do macho especialmente, se consegue distinguir o sexo. Na criação as aves devem ter oportunidade de escolher o seu parceiro pois pares juntos aleatoriamente recusam-se a criar durante anos por não gostarem do parceiro. Constroem o ninho com diversos materiais e ambos chocam os ovos, preferindo algum alimento vivo para alimentar as crias, crias que abandonam o ninho por volta dos 25 dias e assim que se alimentam sozinhas devem ser separadas para não sofrerem violência por parte dos pais. Existe em 3 cores de corpo: Cinzento, castanho e prata e duas cores de bico/rabo, Vermelho e Laranja.
Na criação, o ninho é igual ao dos mandarins e a época de criação é igual a dos outros exoticos, excepto o mandarim que cria o ano inteiro. São necessarios bengalins, pois tenho conhecimento que mesmo em viveiro eles chocam, em gaiola tambem, mas raramente alimentam as crias.

Nos classsicos a distinção de sexo , em aves adultas e prontas a criar, pode ser feita pela aurelula, nos castanhos é mais facil pelo tom castanho da barra do peito.
Formar casais por vezes é dificil pelo que sera ma ideia cruzar casais que estejam a criar bem.
Em relação a genética fica o seguinte:
- clássicos são dominantes
- canelas dominantes ligado ao sexo
- opala e rabo laranja são recessivos.

Sem comentários: